sexta-feira, 22 de outubro de 2021
Colunistas / Política
Tasso Franco

RUI e NETO! Dois adversários coerentes que se acusam de incoerentes

Já chega a 100 o número de empresas fiscalizadas pela Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-Ba)
a partir dos indícios identificados pela Malha Fiscal Censitária,
19/09/2015 às 10:30
 1. Comentamos neste site no último dia 15, em Miudinhas, com o título "ACM NETO tomou mais esssa velha lição de que o PT não dá encosto" que o prefeito estava chateado com a presidente Dilma por não ter liberado a verba para o BRT/Bonocô, numa contribuição à cidade do Salvador e atendimento ou contra-partida a ação que fez no sentido de apoiar o ajuste fiscal proposto pelo ministro Joaquim Levy ao Congresso.

   2. ACM Neto chegou a ir a Brasília, reuniu-se com o vice-presidente Michel Temer, tirou fotos e conseguiu que deputados do DEM votassem favoráveis às medidas, até mesmo Aleluia, critico mordaz do governo. Na época, o senador Ronaldo Caiado (DEM/GO), advertiu que o prefeito estava cometendo um erro. Acertou em cheio. 

   3. Agora, ao que tudo indica, o prefeito acordou para a realidade e disse que vai trabalhar pela não aprovação da CPFM no Congresso Nacional e tudo o fará para que esse imposto maldito não retorne. Até porque, todo mundo sabe que o problema do governo federal não é a falta de dinheiro, mas, o gasto excessivo, o saco sem fundos. Nova CPMF, mais buraco no saco.

   4. O governador Rui Costa não gostou da atitude de Neto e disse em A Tarde que o prefeito estava sendo incoerente, pois, havia aumentado o IPTU em mais de 100%, portanto, adotara uma medida assemelhada a que o governo federal se propõe agora com a CPMF para tapar o buraco dos R$30.5 bilhões no orçamento 2016. Neto, por sua vez, responde dizendo que incoerente é Rui, o qual ao defender um novo imposto que penaliza a maioria do povo brasileiro estaria indo de encontro a uma das bandeiras históricas do PT.

   5. Ora, nem Neto é incoerente; nem Rui tampouco. Cada qual está fazendo a sua parte política, uma vez que o prefeito se sentiu traido em ter ajudado Dilma no ajuste fiscal e não ser correspondido com a verba para o BRT; nem Rui está sendo incoerente, porque defende mais recursos no seu caixa que está bastante apertado, especialmente na área da saúde, e se os petistas já macularam as bandeiras históricas do partido há tempos, mais uma não faz a mínima diferença.

   6. O que se observa e aí voltemos ao comentário inicial deste BJÁ do último dia 15, é de que Neto e Rui são adversários políticos, hoje, sempre e mais do que nunca em 2018, daí que o governo federal não vai colocar manteiga no pão de Neto dourando o BRT, nem que a vaca tussa. PT não dá encosto a aliados de outros partidos quanto mais a adversários.

   7. Daí que está ACM Neto correto em trabalhar contra a CPMF e Rui faz sua parte política criticando Neto. E segue o barco.