quinta-feira, 21 de outubro de 2021
Saúde

TERAPIAS AVANÇADAS ESTÃO REVOLUCIONANDO COMBATE AO CÂNCER DE PULMÃO

Agosto Branco: imunoterapia e terapias avançadas estão revolucionando o combate ao câncer de pulmão
Reinaldo Oliveira , Salvador | 11/08/2021 às 16:46
A oncologista Clarissa Mathias
Foto: Divulgação

  Agosto Branco é o mês da conscientização sobre o câncer de pulmão, o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil (sem considerar o câncer de pele não melanoma). De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), mais de 30 mil brasileiros são diagnosticados com câncer de pulmão a cada ano. O tumor, que tem no tabagismo sua principal causa, é responsável por cerca de 13% de todos os casos novos de câncer. Além da alta incidência, esse tipo de câncer também é o de maior letalidade. De acordo com o Atlas de Mortalidade por Câncer, 29.354 mortes em decorrência do câncer de pulmão aconteceram em 2019.  “Não fumar é a melhor forma de prevenção do câncer de pulmão. Além disso, a população precisa ter acesso ao diagnóstico precoce e aos tratamentos mais eficazes,” ressalta a oncologista Clarissa Mathias, do NOB – Oncoclínicas. “O cigarro representa um risco potencial para vários tipos de câncer e nem o fumante passivo está livre desse risco. Parar de fumar representa um ganho enorme para a saúde," acrescenta a médica.


Um dos grandes avanços da ciência na luta contra o câncer é a imunoterapia, que tem revolucionado o tratamento dos tumores de pulmão e proporcionado mais qualidade de vida aos pacientes. A imunoterapia ativa o sistema imunológico através de uma combinação de medicamentos biológicos. Baseado no princípio de que o organismo reconhece o tumor como um corpo estranho desde a sua origem, e de que com o passar do tempo este tumor passa a se disfarçar para o sistema imunológico e então se aproveitar para crescer, a imunoterapia busca reativar a resposta imunológica contra este agente agressor. “As medicações imunoterápicas provocam um aumento da resposta imune, estimulando a atuação dos linfócitos e procurando fazer com que eles passem a reconhecer o tumor como um corpo estranho”, explica Clarissa Mathias.


Em 2018, os imunologistas James Patrick Allison (EUA) e Tasuku Honjoa (Japão) foram laureados com o Prêmio Nobel de Medicina por suas descobertas sobre o papel do sistema imunológico na luta contra o câncer.  Os dois desenvolveram, separadamente, estratégias para que as células imunes ataquem os tumores. Essas pesquisas são consideradas um marco na luta contra a doença. Desde então, a imunoterapia tem avançado no tratamento de pacientes com câncer de pulmão, inclusive aqueles que apresentam metástases, por seu potencial de ação em tumores mais complexos, com um acúmulo de mutações genômicas alto. Dados da Associação Americana de Pesquisa do Câncer, mostraram a imunoterapia como a responsável por maior qualidade de vida e probabilidade de sobrevivência, modificando de forma imediata as práticas médicas no tratamento de algumas formas da doença.

 

Além da indicação para alguns tumores de pulmão, os imunoterápicos podem ser adotados para tratar cânceres de bexiga, rins, cabeça e pescoço, melanoma, leucemia e linfoma de Hodgkin.

 

Arsenal contra o câncer

 

O tratamento do câncer de pulmão conta com um arsenal de terapias cada dia mais avançadas e se baseia em cirurgia, tratamento sistêmico (quimioterapia, terapia alvo e imunoterapia) e radioterapia. “As cirurgias para retiradas dos tumores torácicos também têm tido avanços enormes e com as técnicas minimamente invasivas já é possível a retirada do tumor com cada vez menos tempo de internação e retorno mais rápido do paciente às suas atividades”, esclarece a oncologista.  

 

Clarissa Mathias explica que, muitas vezes, a quimioterapia é indicada após a cirurgia para destruir células tumorais microscópicas residuais ou que estejam circulando pelo sangue. Em alguns casos, a terapia-alvo também é indicada após a cirurgia. Essa terapia, que também representa um grande avanço na oncologia, usa drogas para atacar especificamente as células cancerígenas, preservando as células saudáveis.

 

A combinação de tratamento sistêmico e radioterapia também pode ser administrada no início do tratamento para reduzir o tumor antes da cirurgia, ou mesmo como tratamento definitivo quando a cirurgia está contraindicada. A radioterapia isolada é utilizada algumas vezes para diminuir sintomas como falta de ar e dor.

 

A imunoterapia é uma aliada importante e eficaz no tratamento do câncer de pulmão, podendo ser combinada ou não a outras alternativas terapêuticas.

 

Sinais de alerta

 

A maioria dos pacientes com câncer de pulmão apresenta sintomas relacionados ao próprio aparelho respiratório, tais como:

 

- Tosse;

- Falta de ar;

- Escarro com sangue;

- Dor no peito.

 

Outros sintomas inespecíficos também podem surgir, entre eles perda de peso e fraqueza. Em poucos casos, cerca de 15%, o tumor é diagnosticado por acaso, quando o paciente realiza exames por outros motivos.

 

A recomendação é que caso a pessoa apresente um dos sintomas, procure imediatamente um médico