sexta-feira, 17 de setembro de 2021
Política

A POSIÇÃO DO SENADOR OTTO ALENCAR NA SUCESSÃO DO ESTADO EM 2022 (TF)

Otto diz que é homem de entendimento e PSD aguarda posição do senador
Tasso Franco , da redação em Salvador | 24/07/2021 às 11:15
Senador Otto Alencar, 73 anos de idade, PSD
Foto: Ag Senado
     Em entrevista recente ao portal Bahia.ba o senador Otto Alencar (PSD) disse o seguinte:  “Vaidade em política é a véspera do fracasso. Eu não sou ambicioso, graças a Deus tenho missão de vida. Sou o homem do entendimento, isso que vou buscar junto ao meu grupo político o ano que vem. Muita água vai rolar debaixo da ponte. Mas, eu estou sereno e seguro. Hoje faço fisioterapia para me recuperar e voltar logo ao trabalho”. O senador testou positivo para Covid-19, mas já se recuperou aos 73 anos de idade, ele que é médico ortopédico.

   Bem, analisando a entrevista do senador e uma outra que deu ao portal A Tarde, de que só falaria sobre a sucessão estadual 2022, ano que vem (isto é, no ano eleitoral propriamente dito) chega-se a conclusão preliminar de que o senador poderá ser candidato (seu mandato de senador expira em 2022) a qualquer das 3 posições na chapa majoritária - governador, senador ou vice-governador - a depender das conversas.
  
   Vamos por parte: o grupo de Otto, o qual ele fala que buscará o entendimento, é o PSD, e tem além dele como senador, Angelo Coronel (chamuscado com a Operação Faroeste), deputados federais e estaduais. Por essa base, Otto seria candidato a governador. Mas, ninguém fala (salvo Coronel que já manifestou isso de público, que o seu partido deve ser a cabeça da chapa) até que Otto venha a público dizer o que deseja. Então, tem-se que esperar 2022, primeiro trimestre.

   Quem comanda o grupo político mais amplo da base do governador Rui Costa (PT) é o próprio governador. Mas, Rui foi atropelado pelo PT que lançou Jaques Wagner como candidato a governador, em 2022. Rui nada disse, porém, afiançou indiretamente, quando colocou Luis Caetano na secretária de articulação política do governo, um wagnerista de carteirinha. E nesta base estão PSD, PP, PCdoB, PSB, Podemos, Avante e outros. Agora, diz-se que estaria também o MDB de Lúcio Vieira Lima. 

   Em relação ao PP, João Leão, vice-governador que comanda o grupo, há um novo ingrediente em cena (a possível filiação de Bolsonaro no PP), porém, antes mesmo disso, Leão já manifestou o desejo de ser a cabeça da chapa no grupão que Rui comanda. Rui nada disse, como também nada falou sobre Wagner. Está deixando o barco andar e certamente vai falar no momento oportuno.

  Leão é aliado de Otto desde 2016 quando se aliançaram para derrubar Marcelo Nilo da presidência da Assembleia quando elegeram Angelo Coronel (presidente) e Luis Augusto (PP) vice-presidente da Casa Legislativa. Depois de Coronel entrou Nelson Leal, PP (presidente 2018/2020) e agora está Adolfo Menezes, PSD (2021/2022). Ou seja, estão revezando em comum acordo: PSD, PP, PSD. O próximo presidente, se tudo continuar nesse ritmo, será do PP. Significa dizer, que Otto e Leão seguem unidos. Mas, por enquanto, Leão fala uma coisa (quer ser o cabeça da chapa) e Otto outra (ainda é cedo para se falar nisso).

   Os três outros partidos da base Rui estão mais para Rui/Wagner do que para Otto/Leão ou Leão/Otto, isso porque têm cargos no governo e não possuem condições de terem candidatos próprios a governador (a). O PCdoB teria, em tese, na hierarquia partidária, Alice Portugal e Daniel Almeida, deputados federais carreiritas e que veem renovando os mandatos há anos. Um terceiro, Davidson Magalhães, está na estrutura governamental. Olivia Santana, uma terceira força, como vimos, foi candidata a prefeita de Salvador, em 2020, e gongada. Teve uma performance abaixo da expectativa.

   O PSB só tem a deputada federal Lidice da Mata, a qual é candidata a tudo: governador, senadora, deputada federal. Não tem quadros. Fora de Lídice o nome mais destacado é Marcelo Nilo, deputado federal, mas 'queimado' na base ruista. E, um terceiro nome, a deputada estadual Fabíola Mansur foi colocada como a candidata a vice-prefeita na chapa petista de Denice Santiago, um fiasco. No inicio desta campanha, o nome seria Lidice, a prefeita, mas, Rui vetou. Domingos Leonelli estrilou em notas na imprensa, mas, nada aconteceu. Lidice pulou fora e como válvula de escape colocou Fabíola na chapa (derrotada deste o inicio da campanha) de Denice. 

   O PSB tem cargo no governo Rui e Lidice não tem a menor condição de ser candidata a governadora. O Podemos, do deputado Bacelar, pior ainda. Também tem cargos no governo. Não tem quadros. Toda vez que é oferecido algo a Bacelar no governo ele coloca o irmão Maurício, o qual já foi do Detran e agora está na Setur. Do trânsito ao turismo. Bacelar foi candidato a prefeito de Salvador, em 2020, afundou. Até alguns dos seus candidatos a vereadores seguiram Bruno Reis. 

   O Avante do pastor Isidório foi outro fiasco na eleição municipal em Salvador. Isidório sequer elegeu o filho Tancredo Isidório a vereador. Sua vice foi a esposa de Angelo Coronel, Eleusa Coronel, e entrou apenas para compor. 

   Então, no freir dos ovos como se diz no popular, Wagner está com meio caminho andado para ser o candidato a governador, em 2022, no grupão de Rui. Se Otto não entusiasma seu grupo (PSD) desde agora, colocando uma ducha fria no caminho ao dizer que é "homem de entendimento" e Leão depende dele para um possível levantamento de voo (ainda que leão, o bicho, não voe), Wagner avança embalado, também, na popularidade de Lula.