ter?a-feira, 21 de setembro de 2021
Colunistas / A Boa Mesa
Dom Franquito

O ÚLTIMO APITO DO MINI CACIQUE DA RUY BARBOSA DO GALEGO LUIZ E CALINE

A idade avançada dos donos e a pandemia abateram o Mini-Cacique
06/11/2020 às 10:22
    Era meu segundo restaurante predileto no centro histórico de Salvador - o primeiro é o Porto Moreira, o terceiro o CGC da Sé - o Mini Cacique da Ruy Barbosa, recentemente fechado diante da pandemia do coronavirus que o abateu de vez.

   Frequentava a casa desde o tempo em que trabalhei no Jornal do Brasil na década de 1970 cuja sucursal ficava no último andar do Bráulio Xavier, na Chile. Eu e vários outros jornalistas. 

  Aberto em 1974 por Caline Sena e o galego Luis Martinez Esteves, o local era conhecido pela culinária baiana e espanhola, especialmente a paella galega, os feijões o cozido das quintas feiras. 

  Quando a Ojuobá editou o meu livro "DOM FRANQUITO - 105 RESTAURANTES AO REDOR DO MUNDO", em 2013, a crônica de abertura intitulava-se "Paelha Galega à Moda Casalis no Restaurante Mini-Cacique" escrita para o www.BahiaJá, em 24 de agosto de 2008.

   Casalis é outro galego gourmet que mora em Salvador.

   Seu salão era uma festa ainda nos anos 1990 e até 2000 com a presença de vereadores, advogados, quase sempre na quinta o desembargador Eduardo Jorge, Rubinho dos Carnavais e Ivanildo Fontes, Sandoval Guimarães, Isidro Duarte e tantos outros amigos. 

   Luis é um galego extrovertido, conversador, apaixonado pela Bahia e pela Galícia e estava sempre no salão servindo aos clientes, papeando, jogando conversa fora. Caline, discretíssima, tomava conta da cozinha, uma área apertada onde comandava uma pequena equipe de mulheres. 

  Era, basicamente, um restaurante de comida caseira. Nas quintas, quem não batesse o ponto cedo perdia a delícia desse prato. Faziam uma determinada quantidade e acabou, acabou. Quem chegava tarde ouvia aquele sorriso maroto de Luis: - Ahora só na próxima quinta.

  Andei por lá dezenas de vezes, incontáveis. A última foi em novembro de 2019 (vide crônica abaixo) e comi um lombo com feijão de caldo. Caline contou-me que Luis estava muito cansado, passara por uma cirurgia e não estava indo ao restaurante. Na casa, ela e somente uma cozinheira e uma garçonete.

  O Mini Cacique não era mais o mesmo. A cidade mudou, a vida mudou, vários restaurantes foram abertos no Pelourinho e ela contou-me que a situação estava muito dificil e não saberia até quando resistiriam. Aí veio a pandemia do coronavirus em março de 2020 e a casa ficou fechada 6 meses. Não resistiu.

  Disse-me, também, que quando tinham algum dinheiro para comprar o casarão onde atuavam o dono não quis vender; e em setembro de 2019 ele fez uma proposta de venda, "mas nós não tínhamos mais o dinheiro".

  Éprovável que Luis, como fazem muitos galegos nessa fase da vida, se aproximando dos 90 anos retorne a sua querida Galicia.

  
   ÚLTIMA CRÔNICA DE DOM FRANQUITO
   LOMBO COM FEIJÃO NA PANELA
   (BAHIA jÁ 6 DE NOVEMBRO DE 2019)

   Falava de um dos principais pratos deste local comandado pelo casal de galegos Luis e Calina, ainda hoje, ambos, já passando dos 80 anos de idade, no batente e com o mesmo entusiamo de anos passados. Estão há 50 anos nessa folia atendendo aos clientes, novos e velhos como yo, que transitam ou trabalham no centro histórico de Salvador.

   Calina está com 83 anos e disse-me no inicio desta semana quando estive por lá para saborear um lombo com feijão de panela de barro que, infelizmente, Luis não pode vir ao trabalho na segunda, devido uns probleminhas de saúde, mas, ela faria às honras da casa que frequento há mais de trintanos. 

  Demoro de ir ao casarão situado no meio da Rua Ruy Barbosa, ao lado do antigo filé do Jaime que frequentávamos nas noites boêmias dos anos 1960, época do Jornal da Bahia, desta feita, mais de 5 anos, ainda que ande pela Sé e Pelourinho com alguma frequência.

   O importante é que, quando retorno ao Mini-Cacique o carinho dos donos da casa é o mesmo. Calina, nos dias atuais, diz que o tempo é o senhor da razão e quando eles (o casal) tinham dinheiro para comprar o casarão onde se situa o restaurante, a dona não queria vender. "Hoje, ela quer vender mas não temos mais o dinheiro e nossa idade já está bem avançada", lamenta.

   Ainda assim é muito apegada ao casarão, aos seus quadros nas paredes, os caqueiros na varandinha do fundo, os santos, os clientes, os móveis antigos, tudo como se fosse a sua própria casa. E, o amor à cozinha, ela própria ajudando na confecção dos pratos, no cozido, no lombo, no arrumadinho, nas paelhas, nos peixes e camarões.

   - Vou saborer o que? - perguntei-lhe dando boa tarde.

   - O arrumadinho já acabou. Vou lhe servir um lombo.

   No Mini-Cacique os pratos são populares: panelinha de barro com o feijão, arroz, salada e lombo com bastante caldo, bem passado, ao meu gosto.

   Nada sofisticado, trivial, à moda da casa. 

   O Mini-Cacique tem tradição e é bastante frequentado pelos vereadores da capital. Um dos anexos da Câmara fica ao seu lado. O pessoal da Prefeitura também está sempre por lá, os servidores do gabinete do prefeito e das secretarias próximas. A Sefaz fica a apenas uma quadra de distância, junto ao Moncab, o Museu Afro, dirigido pelo poeta Capinam.

   Até por sua história vale a pena conhecer. A comida é caseira. Nas quintas-feiras serve um disputadissimo cozido. A depender do dia saboreia-se arroz com polvo de moqueca ou ensopado de lingua. O arrumadinho é imbatível.
------------------------------------------------------
Restaurante Mini-Cacique
Rua Ruy Barbosa, 29
Centro de Salvador
(Ponto de referência - Igreja de NS D'Ajuda)
Fone 71. 3243-2419
Para o cozido faça reserva
Abre todos os dias exceto domingo
Só funciona para almoço
Ambiente arejado sem climatização
Não há manobrista
Vá de táxi se não estiver no centro
Aceita cartões
Lombo com feijão e arroz R$34,00
Coca-Cola lata R$5,00
Não cobra 10% - gorjeta livre