sexta-feira, 15 de outubro de 2021
Direito

JORNALISTAS DO AFEGANISTÃO SÃO ESPANCADOS PELOS GORILAS TALIBÃS

Fotojornalista Naqdi e o colega Taqi Daryabi, jornalista, - ambos trabalham para o jornal Etilaat Roz (Information Daily)-, foram designados para fazer a cobertura de um pequeno protesto
Tasso Franco , da redação em Salvador | 11/09/2021 às 09:29
Fotojornalista Naqdi e o colega Taqi Daryabi, jornalista, - trabalham para o jornal Etilaat Roz r
Foto: AFP
   Dois jornalistas afegãos ficaram com feridas e hematomas depois de serem espancados e detidos durante horas por combatentes dos talibãs. Tudo porque estavam a fazer a cobertura de protestos em Cabul, capital do Afeganistão.

Os dois foram detidos durante uma manifestação na quarta-feira e foram levados para uma esquadra da polícia em Cabul, onde dizem ter sido agredidos e espancados com cassetetes, cabos elétricos e chicotes, após terem sido acusados ​​de organizar o protesto.

"Um dos talibãs colocou o pé na minha cabeça, esmagou o meu rosto contra o cimento. Deram-me pontapés na cabeça. Pensei que me iam matar", disse o fotógrafo Nematullah Naqdi à AFP.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira m
Apesar das promessas de um regime mais inclusivo, os talibãs agem para extinguir a oposição crescente contra o seu regime.

Na quarta-feira à noite, os talibãs declararam as manifestações ilegais, a menos que fosse dada permissão pelo Ministério da Justiça.

Fotojornalista Naqdi e o colega Taqi Daryabi, jornalista, - ambos trabalham para o jornal Etilaat Roz (Information Daily)-, foram designados para fazer a cobertura de um pequeno protesto em frente a uma esquadra de polícia em Cabul por mulheres que exigiam o direito ao trabalho e à educação.

Disse ainda que o elemento dos talibãs tentou agarrar a sua câmara, mas conseguiu entregá-la a alguém que estava na multidão.

No entanto, três combatentes dos talibãs conseguiram detê-lo e levaram-no para a esquadra onde terá sido agredido.

As autoridades talibãs não responderam aos repetidos pedidos de comentários da AFP.