quarta-feira, 14 de abril de 2021
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

BAHIA PERDE PARA FLUMINENSE EM CASA E PERIGA CAIR NA ZONA DA DEGOLA

Faltam é técnica e competência a essa equipe do Bahia comenta ZédeJesusBarrêto
04/02/2021 às 11:41
Não faltou luta, vontade, sobretudo na segunda etapa. Faltam é técnica e competência a essa equipe do Bahia.  Assim, em  mais uma bobeira defensiva, ainda na primeira etapa, o Tricolor levou 1 x 0 do Fluminense do Rio, na Fonte Nova. Mais uma derrota em casa e num momento em que cada ponto é fundamental para evitar o rebaixamento do time para a segundona. Mas ...  não deu, o elenco é mesmo limitado, o time carioca é melhor, individual e coletivamente,  e mostrou-se superior em campo. 

 Com o resultado, o Tricolor baiano continua com 36 pontos, estagnado na boca da zona do abismo e a rodada continua. Fortaleza e Sport ainda jogam. Caso vençam, o Bahia pode terminar a rodada entre os quatro últimos.  A sofrência e o desespero continuam.  
*
 Com bola rolando

 Começo cauteloso, o tricolor carioca com mais posse de bola, tendo as rédeas, o comando do jogo. Logo aos 7 minutos, olhe o VAR! 

 -  Fred testou para as redes uma falta cobrada por Nenê, alçando da direita para a frente da pequena área baiana. A defesa do Bahia, pra variar, vacilou, só apreciou. O VAR, ainda bem, flagrou o impedimento de Fred, meio corpo à frente.

 Um Bahia letárgico, acanhado, lento, marcando à distância e que só foi chegar um pouco na frente por volta dos 20 minutos, mas sem assustar. O Flu estava mais ligado, ganhando as divididas e senhor do meio campo. Aos 26’, depois de uma arrancada de L. Henrique pela direita, Lucca bateu da entrada da área mas errou o alvo. O primeiro chute dos donos da casa, ufa, só foi acontecer aos 29 minutos, em jogada individual de Ramirez, obrigando o goleiro Marcos a espalmar o chute certeiro, no rodapé. Daí ... 

 - Gol ! 1 x 0 Fluminense, aos 32 minutos; depois de uma saída de bola defensiva confusa, Nenê pegou livre na esquerda e cruzou rasante; Fred fez um corta-luz inteligente e Luis Henrique chegou batendo de primeira, de frente, antecipando-se a Lucas Fonseca, estático, e Gregore, que não chegou a tempo.

  A zaga do Bahia é uma mangaba. Frouxa, insegura. Na hora que o time começou a entrar no jogo, vacilou numa saída de bola e levou o gol. Derruba qualquer esquema montado. 

  Aos 40’, João Pedro arriscou e o chute passou perto. O Tricolor baiano avançou mais as linhas, ocupou mais o campo inimigo, equilibrando um pouco depois do gol. Mas o Fluminense foi superior e teve o controle das ações a maior parte do tempo.
 *
  No intervalo, Dado lançou Fessim no lugar de Daniel, que pouco fez. O Bahia voltou postado mais na frente, pegando mais, correndo em busca do empate. O time carioca retornou fechadinho, armando o bote do contragolpe em velocidade, sempre perigoso, usando bem a força e juventude de Luis Henrique. O jogo ficou bem aberto, mais animado e também perigoso. 

- Capixaba tentou de longe, aos 6 minutos, o goleiro Marcos catou no chão. Aos 7’, Gilberto bateu falta frontal de meia distância, com força, o goleirão Marcos conseguiu rebater.  Aos 10’, cruzamento da esquerda, a defesa baiana espiou e Fred cabeceou livre, de cara, para grande defesa de Anderson. 

Com o crescimento dos baianos, Marcão mexeu, pôs mais fôlego em campo:  Caio Paulista e Araujo nos lugares de Fred e Luis Henrique, exaustos.  Aos 15’, Ramirez sentiu uma lesão e entrou Ramon no meio campo baiano. Equlíbrio.
  Aos 17’, Thiago desbravou pela esquerda, foi bloqueado e caiu na área pedindo pênalti; o árbitro nem tchum pra ele. O Bahia corria  bem mais na segunda etapa. Mas finalizava pouco e sem convicção. Os cariocas na manha, simulando, cavando falta, quebrando o ritmo.  

  Substituições: Gabriel, avante, entrou no lugar de Ronaldo (Bahia). Kennedy e Hudson no lugar de Lucca e Nenê, no Flu. Depois, saiu Martinelli, entrou André. No Bahia, Zeca e Alesson nos lugares de João Pedro e Thiago. Haja correria, um lá e cá, mas o Fluminense finalizava, era mais agudo. O Bahia trocava muitos passes laterais e facilitava o trabalho defensivo carioca. 

  - Aos 43’, após cobrança de escanteio, Ernando acertou a cabeçada e o goleiro Marcos Felipe salvou, espalmando no canto.  Aos 47’, cruzamento da direita, Alessou cabeceou de frente, Marcos espalmou, salvando outra. Foi a chance derradeira. 
 *
  Destaques:

   Anderson não comprometeu, Ernando e Ronaldo lutaram muito. Ramirez, enquanto teve pernas foi o mais lúcido.  Gilberto jogou? 

  No Flu, a experiência de Nenê faz a diferença. E tem uma garotada boa, como o zagueiro Nino, o meia Martinelli, o atacante Luis Henrique... Uma equipe bem treinada, sabe o que quer em campo. 
*
Escalações 

- Bahia : Ânderson, João Pedro, Ernando, Lucas Fonseca e Capixaba; Gregore, Ronaldo, Daniel e índio Ramirez; Gilberto e Thiago. Treinador, Dado Cavalcanti. 

- Fluminense : Marcos, Calegari, Nino, Lucas Claro e Egídio; Yago, Martinelli, Nenê e Luis Henrique; Lucca e Fred.  Treinador, Marcão. 
 Arbitragem paulista, com VAR; no apito, Flávio Rodrigues de Souza. 
   *
 O próximo compromisso do Tricolor é domingo, na Fonte Nova, contra o Goiás. Se não conseguir os três pontos...  pode jogar a toalha. 
*
  Outros jogos da rodada na noite de quarta: 
  - Bragantino 2 x 0 Atlético/GO; Goiás 1 x 0 Atlético MG; Corínthians  2 x 1 Ceará. 
     Grêmio 3 x 3 Santos.