quarta-feira, 14 de abril de 2021
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

BAHIA EMPATA COM VASCO E SOBREVIVE NO APERTO, p ZÉDEJESUSBARRÊTO

Bahia segue fora da zona da degola, mas bem próximo e depende dele
01/02/2021 às 11:39

  Muita disputa e pouco futebol no empate sem gols entre Bahia e Vasco no calor carioca. Jogo brigado mas na bola. Até o lance violento que provocou a expulsão de Castán e a substituição do goleiro Douglas (aos 33 minutos do segundo tempo) foi coisa de jogo, sem maldades. Com um a mais, na reta final da partida o Bahia pressionou mas faltou qualidade nas finalizações. 
 
  O empate nada foi de bom para os dois, embolados na zona da confusão com Sport, Goiás, Fortaleza, Coritiba... todos na luta pra não cair.  Para o Bahia, menos mal, papou um ponto fora de casa. O Vasco, com o empate, foi a 37 pontos, o Bahia tem 36, seguido pelo Fortaleza (35); o Sport, que ainda enfrenta o Flamengo na rodada, tem 35 também mas está no 17º, é o primeiro da zona, onde estão Goiás, Coritiba e o finado Botafogo.
*
 Com a bola quicando ... 
Verão carioca, uma tarde domingueira no calor dos 32 graus à sombra. Clima quente na disputa, as equipes lutando palmo a palmo contra o rebaixamento nesse retão final de competição. O Vasco inteiro, o Bahia com dois desfalques significativos: Índio Ramirez, suspenso, e Nino Paraíba com problemas de última hora no tornozelo. Gramado castigado em São Januário.

 - O primeiro chute em gol foi do Bahia, aos 2 minutos: Ronaldo, de longe, nas mãos de Fernando Miguel.  O time carioca mais solto, trançando bem a bola, e o Bahia plantado, marcando e tentando recuperar a bola no meio campo para expllorar a velocidade nos contragolpes.

 Muitos passes errados, lá e cá. O Vasco marcando adiantado e o Bahia com dificuldades na saída de bola defensiva. Muita bolinha recuada para o chutão de Douglas. 25 minutos e nada de finalização. Aos 30, parada para reidratação; calorão abafado, jogo cadenciado, falta criatividade. 

  Aos 48’ aconteceu a única chance real de gol e foi do Bahia: escanteio cobrado por Rossi, da direita, a defesa cruzmaltina não resolveu a bola alçada, Thiago furou na tentativa de arremate e Capixaba pegou a sobra, de frente, mas bateu por cima. Foi só.  
*
 Uma primeira etapa fraca, burocrática, ritmo lento, ninguém arriscou nada, nenhuma situação de gol, os goleiros não foram empregados.
*   
 Luxemburgo botou pilha no vestiário e os cariocas voltaram da merenda impondo mais velocidade ofensiva. Os baianos aplicados na marcação, sem conseguir encaixar os contragolpes.  Mas os espaços começavam a aparecer, a marcação afrouxando. 

- Aos 9’, o primeiro contragolpe: Gilberto livrou-se da marcação e deixou Rossi no mano a mano, venceu a marcação e bateu rasteiro, colocado, mas Fernando Miguel salvou. O Vasco respondeu com um chute de Cano aos 12’, Douglas trabalho bem no chão. Aos 16’ , depois de trama pelo lado direito, Benitez bate de frente, para boa intervenção de Douglas.  Na cobrança do escanteio, chance desperdiçada pelo Vasco. 

  Perdendo as ações no meio campo, Dado trocou: Zeca no lugar de João Pedro e Ramon no de Daniel. Luxa, xiliquento e querendo apitar o jogo, tirou Benitez e pôs Ygor, que entrou chutando, assustando. Na sequência, aos 23’, Thiago puxou contragolpe em alta velocidade pela direita, enfiou a Gilberto que bateu firme para F. Miguel espalmar. Mudanças táticas e mais força em campo em busca do gol. 

-  Olhe o VAR !  

    Gol anulado do Vasco, aos minutos. Ygor, escora, com o braço, depois de uma saída de Douglas, atingido por Castan (o pé alto no rosto do goleiro), na bola cruzada na pequena área. O goleiro teve de ser substituído, foi um choque forte. E o zagueiro Castan foi expulso pela jogada. O gol foi anulado.  

 Saiu Thiago entrou Alesson no Bahia.  Anderson substituiu Douglas, lesionado no rosto. Luxemburgo trocou três, de vez. Cayo Tenório (Pec), Carlinhos (Leo Gil) e Ricardo no lugar de Matos. O jogo recomeçou aos 37’.  Aos 42’, Dado retirou Lucas Fonseca, zagueiro, colocou o centroavante Gabriel, tentando ganhar o jogo.  Nove minutos de acréscimos deu o árbitro.

 Aos 47’, por pouco o Tricolor não abriu o placar numa indecisão do goleiro vascaíno. Pressão. Aos 49’, Gilberto pegou uma sobra, de prima, mas errou o alvo, perdendo boa chance. 

 E acabou. 
  *

Destaques
Indio Ramirez fez falta. Gregore e Ronaldo lutaram muito, Gilberto também. Thiago foi o mais incisivo na frente.
  *
 Escalações
- Vasco da Gama: Fernando Miguel, Matos, Marcelo Alves, Castán e Henrique; Pikachu, Bruno Gomes, Leo Gil, Talles (Gabriel Pec) e Benitez (Ygor);  Cano.  Treinador, Vanderlei Luxemburgo.

 - Bahia: Douglas (Anderson), João Pedro (Zeca), Ernando, Lucas Fonseca e Capixaba; Gregore, Ronaldo e Daniel (Ramon); Rossi, Gilberto e Thiago (Alesson).  Treinador, Dado Cavalcanti. 

Arbitragem de Goiás. No apito, o complicado Wilton Pereira Sampaio/Fifa. Não comp0licou. 
*
 Pela rodada 34 o Bahia recebe o Fluminense /RJ na Fonte Nova; quarta-feira, dia 3, às 21h30.
**
 Outros jogos da rodada 33, domingo à tarde:
 - Coritiba 1 x 1 Grêmio;  Atlético Goianense 2 x 1 São Paulo;  Ceará 0 x  2 Athlético/PR;
   Atlético Mineiro 1  x 0 Fortaleza (segue ainda). 
A rodada continua ...
**
  - O Vila Nova, de Goiás, venceu a final contra o Remo e sagrou-se Campeão da Série C, pela terceira vez. 
**
  Do ex-craque de bola e atual comentarista Tostão sobre a final da Libertadores da América e a conquista do Palmeiras:
 - “A ansiedade é comum nas decisões e costuma ser benéfica, já que os atletas ficam mais atentos, mais espertos. Mas, quando ela é muito excessiva, os jogadores perdem a tranquilidade, a lucidez e a coordenação motora” 
 ...”As finais são geralmente partidas ruins, truncadas, sem brilho, como foi Palmeiras x Santos”, mas ... 
- “ As grandes finais não são partidas para ser analisadas nos detalhes táticos nem ser julgadas se são ruins ou boas. Existem para ser celebradas, poetizadas, para sempre”. 
  Então, Viva o Palmeiras !