quarta-feira, 14 de abril de 2021
Colunistas / Esportes
Zé de Jesus Barrêto

BAHIA VENCE CORÍNTHIANS NA FONTE E PRECISA DE MAIS VITÓRIAS PARA SUBIR

Comenta ZédeJesusBarrêto que Bahia saiu da Z-4 mas ainda sem refresco
29/01/2021 às 19:03
 O Tricolor não fez um grande jogo, sobretudo na primeira etapa, atarantado em campo, mas fez dois gols em lances isolados. Um deles, o de índio Ramirez, uma pintura. No segundo tempo, segurando atrás e explorando contragolpes, até foi melhor, pela luta, pela entrega de todos, disputando palmo a palmo até o derradeiro minuto. 

  Valeu pelos três pontos conquistados, pela mostra de brio, pela confiança readquirida com um triunfo, pelo alento ao torcedor, mas ...  foi apenas um respiro, um sinal de vida, o perigo de rebaixamento continua real e cada jogo, até a rodada derradeira, terá clima de decisão, de guerra a ser vencida. 

  Com o resultado, o Bahia saiu da zona (dos quatro últimos), chegou a 35 pontos, os mesmo de Sport e Fortaleza, que caiu agora para o 17 º lugar porque tem um triunfo a menos que o Bahia. O Vasco, próximo adversário do Bahia, tem 36 pontos. São Januário, domingo, vai pegar fogo.      
*
 Expectativas

  Era jogo de vida ou morte para o Bahia, dentro de casa, instalado na zona do abismo, prestes a cair para a Série B e mostrando em campo um futebol de segunda mesmo. Pra se ter idéia, dos últimos 30 pontos disputados na competição o Bahia tinha ganho apenas quatro. 

  A derrota mais recente fora para o Sport do Recife, concorrente direto, 2 x 0 e o time fez um segundo tempo vergonhoso. Os dias que antecederam o confronto contra o Corínthians (o 9º colocado) foram de muitas cobranças em cima do plantel, dos dirigentes, da comissão técnica. A torcida agitada. Pressão total. Assim, nesse clima, começou o baba. 
*
 Com bola rolando

  Com Lucas Fonseca, cintura larga, de volta, a zaga mais vazada da competição começou dando mole, logo num primeiro minuto; por pouco os paulistas não abriram o placar. A saída de bola continuava lenta, sempre nos pés de Gregore. Marcação adiantada e passes errados do Tricolor, do meio para frente. O Corínthians sem agonia, marcando e esperando o momento do bote, jogando nas trapalhadas defensivas do adversário. 

 - Aos 20’, após uma falha de Matheus Bahia, Araos bateu cruzado, rasteiro e assustou. Aos 28’, após bola perdida na intermediária, Jô entrou de cara, Douglas desviou, evitando o primeiro gol. Só dava Corínthians, atuando todo tempo no campo de ataque, mas, aos 30 minutos, pela primeira vez o Bahia conseguiu chegar na área adversária.
 - Gol ! 1 x 0 Bahia, aos 32’. Falta cobrada da lateral esquerda, Cassio não resolveu, a sobra terminou alçada e Gilberto na linha da pequena área testou, fez. O árbitro consultou o VAR (???) e dois minutos depois confirmou. 

  Aos 37’ min, após cobrança de escanteio, bola alçada, Douglas saiu catando borboleta, Araos testou para as redes, mas o bandeira marcou impedimento, o árbitro gastou mais dois minutos confabulando, consultou o VAR e o tento foi anulado. 

 - Gol ! 2 x 0 Bahia, aos 48 min.  Contragolpe bem puxado por Thiago, a defesa paulista toda adiantada, Ìndio Ramires recebeu pelo meio driblou dois, deixou ambos sentados, e bateu na saída de Cássio. Golaço ! 
 *

  O Corínthians jogou a primeira etapa inteira no campo tricolor, o Bahia parecia perdido, desarrumado, feito um time de várzea em campo, mas ...  em dois lances achou dois gols !   Coisas do ‘sobrenatural de Almeida’, o famoso personagem inventado pelo grande Nelson Rodrigues.  Que bom, brilhou a estrela tricolor.

*
  Segunda etapa com emoção. Aos corintianos restava ir pra cima, avançar inteiro, buscar o gol de todas as maneiras. O Bahia, em vantagem, fechado e postado pro contragolpe.  Dai, aos 2’, Rossi arrancou  pela direita e cruzou rasteiro para a chegada de Thiago, do lado oposto, livre, de cara com Cássio. O goleiro cresceu e o jovem atacante perdeu a chance de ampliar.  

 O time paulista explorava bem o lado esquerdo defensivo baiano, com dois em cima do lateral Matheus Bahia, e ia chegando. Duas bolas cruzadas na pequena área salvas por Ernando e Nino, com Douglas já vendido. Os paulistas pediram pênalti numa bola que bateu no braço de Gregore, quase o gol corintiano; o árbitro consulta o Var e não dá a penalidade, o braço do capitão tricolor estava colado no corpo. A decisão gerou confusão entre Fábio Santos e Lucas Fonseca... o soprador de apito perdidão, envolvido na confusão.  Muito tempo de bola parada, ritmo travado.

 E tome-lhe pressão dos paulistas, já nervosos, o tempo passando. Saiu Gustavo entrou Gabriel Pereira. Num erro de saída de bola, Gabriel entrou livre, Douglas espalmou.  Saiu Lucas Fonseca, machucado, entrou Juninho.  Capixaba e Ramon no lugar de Matheus Bahia e Ramirez. O Tricolor suportando.  Aos 24’, Capixaba puxou bom contragolpe pela esquerda e cruzou rasteiro, a bola varou a pequena área, ninguém escorou.  Raul no lugar de Fábio Santos. 

 - Gol ! 2 x 1, Gabriel, aos 25 minutos, recebendo livre, infiltrado no meio da zaga baiana, entre Juninho e Capixaba, só desviou na saída de Douglas.
 
 - Aos 28’, Ramon tentou de longe, Cássio espalmou no rodapé. O jogo tornou-se aberto, lá e cá, pegado e arriscado. Aos 33’, Gilberto arrancou, ganhou na velocidade e disparou de canhota, já sem pernas, Cássio pegou em dois tempos. Alesson e João Pedro substituiram Gilberto e Rossi, exaustos.  No Corínthians, entraram Ederson e Camacho (sairam Cantillo e Vital), 38 minutos. 

  Mancini pos o time todo na frente, tentando fazer aquela pressão final. Perigava. O Bahia só chegava na frente nas bolas paradas, já sem a velocidade do contra-ataque. Tentava ganhar tempo, valorizando cada lance. Tensão e nervosismo nos oito minutos de acréscimos. Muitas bolas alçadas na área baiana, muitas faltas na intermediária, nada definido. Mas deu Bahia, enfim !  

 Dá pra ter alguma esperança? 
*
 Destaques  

 O esforço de Nino Paraíba, a luta de Ronaldo, o primeiro tempo inspirado de Indio Ramirez, a vontade do garoto Thiago, a entrega de Gilberto ...  Ramon entrou bem na segunda etapa. Valeu !
*
Escalações


- Bahia : Douglas, Nino, Ernando, Lucas Fonseca e Matheus Bahia; Gregore, Ronaldo, índio Ramirez; Rossi, Gilberto e Thiago.  Treinador, Dado Cavalcanti.
 - Corínthians : Cássio, Fagner, Gil, Bruno Mendes e Fábio Santos; Gabriel, Cantillo, Gustavo Mosquito e Matheus Vital; Jô e Araos. Treinador, Vagner Mancini.
 Arbitragem mineira, com VAR. No apito, o posudo e conversador Ricardo Marques Ribeiro. 
**
-  A próxima pedreira do Bahia é contra o Vasco da Gama, concorrente direto, domingo, no São Januário /RJ. Guerra !
 - No outro jogo do dia, também atrasado, Flamengo vencia de virada (3 x 1) o Grêmio, em Porto Alegre, chegando a 58 pontos e encostando no vice-lider São Paulo.  O líder, Internacional, tem 62 pontos.  
**
 Série B   
 A rodada final acontecerá nesta sexta, todos os jogos às 21h30.
O Vitória, já livre que qualquer possibilidade de queda, cumpre tabela no Sul, contra o Brasil de Pelotas. Na expectativa de ser efetivado como o treinador oficial na temporada 2021, Rodrigo vai escalar uma equipe recheada de garotos vindos das divisões de base, o futuro. Leo Ceará, o artilheiro do time, nem viajou, já com viagem marcada para o Japão, onde vai jogar. 
A rodada vale muito pelas definições no grupo de cima. Chapecoense e América, com o mesmo número de pontos, disputam o título de Campeão da Segundona/2020. O Cuiabá é o terceiro, já classificado. 
 O Coelho Mineiro joga em casa contra o Avaí, que ainda disputa a quarta e última vaga de classificação para a Série A (com Juventude e CSA no páreo). E a Chapecoense recebe o Confiança, na Arena Condá. O Juventude joga fora, em Campinas, contra o Guarani, e o CSA enfrenta o Náutico, no Recife. Jogos quentes na rodada final, pois.
**
 Libertadores 
 Olhos voltados para a decisão do título maior das Américas, com dois brasileiros e paulistas no páreo:  Palmeiras x Santos, no Maracanã, sábado, 18h.  O Verdão tem um elenco mais cascudo. A meninada do Santos, comandada por Marinho, pode surpreender. Jogão. Numa decisão, não se pode errar e o emocional conta muito.