sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020
Turismo

ELEVADOR DE SANTA JUSTA É O LACERDA DE LISBOA, PERO MAIS CHARMOSO

O ingresso custa R$5,30 euros (algo em torno de 25 reais) e as filas duram ao menos 1 hora. Nos finais de semana, duas horas, ao menos
Tasso Franco , da redação em Salvador | 17/01/2020 às 10:38
Santa Justa liga a Baixa Pombalina ao Carmo
Foto: BJÁ
  O Elevador da Santa Justa é uma preciosidade em Lisboa. Contemporâneo da Torre Eifel, em Paris, liga a baixa pombalina ao largo do Carmo. Hoje, deixou de ser um meio de transporte regular dos habitantes de Lisboa para se tornar um mirante para turistas. O ingresso custa R$5,30 euros ida e volta e as filas de espera duram, a depender do dia, mais de duas horas. É cansativo, mas, compensador pela vista de Lisboa (a cidade tem mais 7 ou 8 mirantes) e por andar num equipamento histórico em ferro e madeira.

   É parente do Elevador Lacerda, de Salvador, mas, muito mais bonito porque vistoso os seus ascensores. Lisboa é irmã da capital baina com duas cidades, a baixa à beira rio Tejo entre Santa Apolônia e a divisa com o município de Cascais, também conhecida como Baixa Pombalina tendo o Terreiro do Paço como coração; e o bairro Alto, o Carmo, Chiado e outros. O Santa Justa ou Elevador do Carmo liga esses dois pontos da cidade e há uma passarela entre ambos. 

   Hoje, o Santa Justa funciona mais como ponto turístico, um dos mais visitados de Lisboa e os moradores locais não vão ficar duas ou três horas numa fila para locomoverem-se entre as duas cidades. Virou atração turística e há quem reclame das filas, o que é normal, mas, compensa quando se usa o elevador. O Lacerda, em Salvador, mais antigo do que o Justa, funciona como atração turística, mas, também é usado pelos moradores de Salvador e o preço baratinho. 

   O Santa Justa com todo respeito ao Lacerda é muito mais charmoso (TF)

   DADOS DO WIKIPÉDIA
   HISTÓRIA

   O Elevador de Santa Justa, também referido como Elevador do Carmo, é um sistema de transporte público, situado no centro da cidade de Lisboa, no distrito de mesmo nome, em Portugal. Liga a rua do Ouro e a rua do Carmo ao largo do Carmo e constitui-se num dos monumentos mais interessantes da Baixa de Lisboa. 

   É composto por uma torre metálica onde circulam duas cabinas, e por uma passadeira que liga o piso superior à zona do Carmo.

    A estrutura do elevador é composta por ferro fundido, e utiliza um esquema inspirado no estilo neogótico. Foi construído sob a gestão do distinto engenheiro Raoul Mesnier du Ponsard, conhecido por ter feito outros projectos do mesmo tipo em território nacional.

   Este elevador foi planeado desde a Década de 1890, mas o projecto só foi aprovado pela Câmara Municipal de Lisboa em 1900, ano em que se iniciaram as obras. Durante a construção, uma das fases mais impressionantes foi a deslocação do viaduto e do pilar de suporte para as suas posições respectivas, manobra que foi executada através da rotação dos componentes inteiros. O elevador foi inaugurado em 1902.

   A estrutura, em estilo neogótico, foi construída na viragem do século XIX para o XX com projeto do engenheiro Raoul Mesnier du Ponsard, que também se responsabilizou por outros similares no país.

  Contrariando a afirmação popular, não está comprovada a ligação deste engenheiro a Gustave Eiffel. O que se sabe é que tanto Ponsard quanto o arquitecto francês Louis Reynaud aplicaram nestes elevadores algumas das técnicas e materiais já utilizados em França.

Mesnier de Ponsard tinha iniciado a sua carreira com o Elevador do Bom Jesus em Braga, inaugurado em 1882, tendo depois lançado a construção de vários sistemas deste tipo pelo país, especialmente em Lisboa, onde instalou os ascensores da Bica, Glória, do Chiado, Biblioteca e de Santa Justa, entre outros.