ter?a-feira, 25 de fevereiro de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

DEPOIS de aumentar salários de servidores governo quer mais impostos

O Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, a líder do PT na Câmara Municipal de Salvador e presidente da Comissão de Reparação da Casa, Vânia Galvão, volta a dizer que “é preciso repensar o PDDU
07/06/2016 às 11:36
  1. A coisa mais difícil que há no Brasil é entender um governo. Quando se esperava que o governo provisório de Michel Temer (PMDB) fosse moralizar a bandalheira que acontece em Brasília (maior renda per capita do país graças aos salários valorizados dos servidores públicos) o governo aprova um reajuste para o funcionalismo que consumirá R$53 bilhões em três anos e ainda foram criados 14 mil novos cargos. 
  
   2. Algumas categorias vão ter reajustes de até 43% numa inflação de 6.5% ano passado. E haverá efeito cascata nos estados, alguns literalmente quebrados.

   3. É inacreditável o que está acontecendo e os brasileiros normais, trabalhadores que carregam o país nas costas estão alarmados, assustados. A cúpula do Poder Judiciário  que já ganha R$33 mil ao mês passou para R$39 mil. Teto que vai mexar com os parlamentares federais e estaduais, ministros e o presidente da República.

   4. Era de se esperar que Temer desse uma segurada nessa turma mas ao que se viu trata-se de um mimo para institucições como STF, PGR, TCU e a Justiça Federal, entre outros. O ex-presidente da Petrobras, Aldemir Bendime, vai receber de quarentena R$160 mil por mês durantes 6 meses. Por que salário tão extraordinário para um mortal servidor afastado do cargo? Não há explicação.

   5. O governo agora fala em aumentar impostos numa carga tributária que já atinge 35.4% do PIB com dívida pública que saltou para 66.5% do PIB em 2015. O PSDB, segundo o líder Antonio Imbassahy, diz que seu partido é contra. Mas, o governo entende que a oposição ao aumento de impostos no parlamento é menor do que às reformas estruturais. A CPMF e a Cide são as candidatas naturais no aumento de impostos que os mortais pagarão. 

   6. A possibilidade do governo reduzir gastos pensando-se nos três poderes é remotada, remotissima. Pelo contrário estão é aumentado os gastos, mais mordomias e assim por diante. Só entre copeiros, camareiros, fotografos, motoristas, etc, Dilma ainda tem 200 servidores à sua disposição. 

   7. Então, se alguém estiver esperando alguma mudança no governo Temer para moralizar a situação em Brasíla, esqueça.