quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

A PESQUISA BABESP e as estratégias de RUI e ACM NETO para 2018

Desembargadora Vera Lúcia Freire de Carvalho foi sepultada no Jardim da Saudade nesta quinta-feira, 19
22/11/2015 às 11:29
1. A pesquisa divulgada pelo Instituto Babesp feita com 1000 entrevistados nos bairros de Salvador, entre os dias 15 e 18, apontam alguns indicadores relevantes sobre as eleições de 2016 e 2018, diante das estratégias que estão sendo adotadas pelo prefeito ACM Neto e pelo governador Rui Costa, prováveis competidores em 2018.

   2. Um desses indicadores revela que o prefeito ACM Neto, pelo menos até agora, se apresenta imbatível à sua reeleição com 69% de preferência do eleitorado, se as eleições fossem hoje. Em segundo, como esperado, está o deputado e sargento da PM Isidório (PROS) com 8% dos votos. Em terceiro aparece o senador Walter Pinheiro (PT) com 6% e em quarto a senadora Lidice da Mata, com 5%. 

   3. Considere-se, no entanto, que Pinheiro não será o candidato do PT, indicação ainda em aberta e com decisão partidária que só acontecerá nos primeiros meses de 2016. Ao que tudo indica, em sendo o governador do PT, com governo bem aprovado pelos soteropolitanos (71%), que este partido tenha um candidato próprio, ainda que possa o governador apoiar outros nomes de sua base política no primeiro turno.

   4. A questão é que ACM Neto está com um indicador (69%) que o conduziria a vitória no primeiro turno e isso, desde já, dificulta a indicação de um nome petista de maior densidade eleitoral, salvo aqueles já colocados à disposição do partido, o vereador Gilmar Santiago e o ex-deputado Yulo Oiticica.

   5. Imaginar que o PT não terá um candidato será impensado assim como é improvável, quase impossível, que um nome como o de Jaques Wagner venha concorrer a prefeito. Nelson Pelegrino, de novo! ainda que seja o eleitoralmente mais forte, seria desgastante para ele com um curriculo de 4 derrotas. Melhor esperar o ano de 2020.

   6. Também pensar que o PT vai embarcar, no primeiro turno, na candidatura do deputado Isidório seria arriscado, pois, Isidório tem um discurso extremamente messiânico e populista e pode ajudar Rui, em 2018, mas, também pode prejudicá-lo.

   7. A rigor, o governador Rui Costa investe em Salvador numa estratégia que vem desde a época de Wagner, em sua segunda eleição, 2010, e na eleição de Rui para governador, em 2014, com obras na mobilidade urbana, viadutos na Av Paralela e no Aeroporto, expansão do Minha Casa Minha Vida e outros projetos. 

   8. Deu tanto resultado que Rui derrotou Souto em Salvador. Rui tem uma aprovação mediana na classificação do seu governo, com apenas 22; e rejeição de 14%. Mas, possui um regular de 55%, o que denota uma grande faixa da população que observa seu governo em andamento. Se o governo avança com as obras em 2017/2018, ano eleitoral, a tendência é que uma boa parte desses 55% migre para o ótimo/bom e aí Rui fica forte na capital.

   9. Ou seja, independente da eleição de 2016, o que Rui está mesmo de olho é na sua reeleição, em 2018, fortalecendo-se na capital, principal reduto de ACM Neto, para equilibrar o jogo e vencer no interior onde está forte.

   10. Já ACM Neto tem que fazer o inverso: mantér-se forte na capital e buscar o interior, como já está fazendo organizando os diretórios do DEM em todos os municípios e apoiando-se no PMDB e PSDB. 

   11. Neto aposta numa melhor performance do seu partido e aliados nas eleições municipais de 2016 também no interior, especialmente nos grandes municípios, pólos regionais - Feira, Alagoinhas, Camaçari, Ilhéus, Itabuna, Conquistra, Teixeira, Barreiras, Itaberaba e assim por diante.
Este é o jogo posto.

   12. A Babesp aponta, ainda, que o governo da presidente Dilma está num buraco com uma rejeição de 81% do eleitorado de Salvador. Ou seja, se ela não cair até as eleições de 2016, ninguém vai querê-la no seu palanque, salvo se, por milagre, que seu governo melhore até lá.

   13. Na eleição de 2018, no entanto, são outros quinhentos porque o candidato do PT é Lula. E o quadro se modifica e beneficia Rui, até porque ACM Neto embarcará na provável candidatura de Aécio Neves.