ter?a-feira, 25 de fevereiro de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

WAGNER fez barba-e-bigode e pôs o novo contra o velho

Veja nosso comentário
06/10/2014 às 13:35

 A coligação de Rui Costa fez barba e bigode elegendo o candidato a governador e ao Senado, Otto Alencar. E, o que é mais emblemático e que poucos esperavam, talvez nem mesmo o governador Wagner, seu grande cabo-eleitor, uma vitória no primeiro turno.


   As razões que levaram Rui a dar essa arrancada final, se supõe, teria sido em função do crescimento da candidatura de Dilma Rousseff na Bahia com 60% dos votos válidos, a organização políticca organizada pelo governador Wagner agregando em torno do PT, o PP de João Leão; o PSD de Otto Alencar; o PTB de Antonio Brito; o PDT de Mrcelo Nilo; e partidos menores, o que fez com que o candidato petista tivesse uma extraordinária votação no interior, especialmente em redutos mais distantes.

   Louve-se, ainda, a iniciativa de Wagner em colocar um candidato jovem, sem os vícios dos tradicionais políticos, conhecedor do estado, e que tabalhou ao seu lado sendo uma pessoa de extrema confiança do governador, e que, durante boa parte deste segundo mandato de Wagner, de fato, exerceu as funções de governador em programas no combate à seca e outras ações na capital e no interior.

   Do outro lado, embora houvesse uma vontade de parte da população em quebrar a hegemonia política do PT no estado, Paulo Souto não representava esse nome, a pessoa que poderia executar esse desejo porque já fora governador duas vezes, depois derrotado mais duas vezes, portanto, um nome do que se poderia chamar da "velha política", bem rotulado pelos governistas como "força do atraso".

   Souto não teve argumentos para sair dessa rotulação, foi fraquissimo nos debates, pouco resoluto e até evitando o confronto com Rui, e os partidos que compunham sua coligação PMDB, PSDB, PTN, etc, não têm a mesma capilaridade no interior que tem os partidos e as forças políticas que se alinharam com Wagner e Rui. Além disso, enquanto Rui prometia "mundos e fundos" em sua campanha (o eleitor adora promessas), Souto esteve sempre muito discreto em toda trajetória e não conseguiu passar para o eleitorado uma sensação de que seria o nome para mudar.
 Ademais, registre-se os investimentos que o governador Wagner fez em Salvador (para se contrapor a ACM Neto, o grande cabo eleitoral de Souto) nos últimos anos com via expressa, viadutos (era crítico de viadutos como o fez em realação a Zé Ronaldo, na campanha municipal de Feira), avenidas, hospitais, Minha Casa Minha Vida, etc, ganhos paupáveis à população que correspondeu nas urnas. 

   Ora, há de se dizer como dizia a oposição, que são investimentos do governo federal. Isso, aos olhos da população, pouco importa. O que vale pra ela é o beneficio tanto faz ser do governo federal, estadual ou municipal. Se a pessoa recebe um apartamento do Minha Casa vale é a moradia, o bem estar. E, claro, Wagner soube através da propaganda mostrar a aquele beneficiário que era uma obra sua, ou geminada com o governo federal.

   Não diria que, nesta eleição, Lula teve um peso tão expressivo como nas de Wagner. Creio que no imaginário popular pesou mais a força de Dilma (não deixa de ser também de Lula), mais agregada à figura da presidenta, a qual embora seja sizuda, de pouca conversa, fez realizações na Bahia.

   No decorrer da semana vamos analisando outras questões sobre a vitória de Rui.