ter?a-feira, 25 de fevereiro de 2020
Colunistas / Política
Tasso Franco

SUCESSÃO 2014: AFUNILIU. Oposições já têm nome, por Tasso Franco

SUCESSÃO 2014: AFUNILIU. Oposições já têm nome e PT aperta o passo
05/10/2013 às 18:24
1. As oposições na Bahia deram sinais, nos eventos de quinta e sexta feira útimas na Assembleia e na sede do PMDB, que estão com disposição de marcharem unidas em torno de um único nome como candidato a governador da Bahia, em 2014. E, salvo, algum tropeço que ainda possa haver pela frente, pouco provável, a adesão do deputado Bruno Reis (cria politica de ACM Neto) ao PMDB com presença do prefeito da capital e mais afirmações em torno da "gratidão" e da continuidade da aliança DEM/PMDB por "duradouros" anos na Bahia, o nome do candidato é Geddel Vieira Lima.

   2. E o que vimos, hoje, no PMDB, foi união de forças pouco comum em pelo menos 6 artidos da oposição (PMDB/DEM/PSDB/PTN/PPS/PHS) em torno da pré-candidatura Geddel. Parece-nos uma unanimidade, pois, não escutei nenhuma voz dissidente ou mesmo que se colocasse com dispoção para contrapor o desejo do peemedebista, declaradamente confesso de que "deseja ser governador", "está disposto a enfrentar uma campanha","está com garra para a missão", o que não se vê noutros prováveis pré-candidatos, ainda que, declaradamente, só existe o nome de João Gualberto, do PSDB, também presente ao evento e apontado, nos bastidores, como um bom nome para vice.

   3. Conversamos com Paulo Souto e Zé Ronaldo, dois prováveis nome do DEM. Souto não sinaliza que deseja ser candidato e falou-nos apenas uma frase: "Falar o que pelo amor de Deus!". Zé Ronaldo não põe seu nome como pré-candidato e diz que os boatos sobre essa especulação de midia "são tudo conversa fiada". Mas, admite que o momento ainda é de conversas. 

   4. Pelo exposto, já que ACM Neto está fora do páreo e falou, hoje, que pretende transformar Salvador "num canteiro de obras" a partir de 2014, o nome consensual é o de Geddel Vieira Lima. O ex-ministro está conversando bastante com os deputados Antonio Imbassahy e Jutahy Magalhães Jr (leia-se Aécio Neves) e também com Eduardo Campos. Geddel nada diz. Mas, pessoas próximas a ele, dizem que o peemedebista gostaria muito de também ter o apoio do PSB na Bahia.

   5. Toda essa movimentação dos partidos das oposições criou um "frisson" nas hostes governistas e, hoje, o que mais se falou nos bastidores e em alguns círculos petistas na Assembleia foi de que o PT precisa apressar o passo e definir o quanto antes o nome do seu candidato, entendendo-se que "Geddel já está em campanha".

   6. No PT, até onde se sabe, há uma afunilamento entre os nomes de Rui Costa, o preferencial do governador Wagner, o qual está colocando-o para representá-lo em eventos no interior; e o senador Walter Pinheiro, o qual recebeu a adesão do deputado Nelson Pelegrino visando manter sob controle a executiva municipal de Salvador, com Marta Rodrigues, uma vez que, a Executiva Estadual já "estaria ganha" com o candidato de Rui (Everaldo Anunciação), que substituirá Jonas Paulo.

   7. No PT, as decisões são sempre difíceis. O governador Wagner esperava resolver essa parada até novembro, mas, já teria empurrado o problema para inicio de 2014. O que se quer, pelo menos foi essa a conversa hoje, nos bastidores, é que a decisão saia mesmo em novembro, justo para impedir que as oposições avancem mais no interior.

   8. ACM Neto depois de 10 meses de mandato foi a três cidades do interior da semana passada, já estaria com a agenda programada para novos eventos (é provável que vá a FSA neste sábado) e Geddel, que adiou uma viagem hoje à Barreias, com Zito Barbosa (candidato a deputado federal pelo DEM) já está com a "roda no ar" para reforçar seu nome e o de Carlúcia, candidata a deputada federal, em Barreiras.

   9. Esse é o cenário. De funil. Afunilou de vez e está chegando a hora das decisões para fixar os nomes.