sexta-feira, 13 de dezembro de 2019
Saúde

Tratamento programado para aneurisma de aorta evita morte do paciente

O tratamento é inteiramente coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS)
Ascom HGRS , Salvador | 29/10/2019 às 17:02
Humberto Alvaro Hemodinâmica
Foto: divulgação
Condição que vitimou o diretor e ator Jorge Fernando, o aneurisma dissecante da aorta é uma dilatação irreversível da artéria aorta e ocorre quando há aumento de pelo menos 50% do diâmetro normal do vaso. Apesar de grave, se tratado com rapidez, é possível evitar a morte do paciente.
De acordo com o responsável técnico pela hemodinâmica do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), o radiologista intervencionista Humberto Álvaro, é preciso acompanhar o crescimento do aneurisma para evitar o risco de ruptura e a elevada taxa de mortalidade associada ao quadro. “Se não estiver roto – ou seja, se não for rompido –, o tratamento pode ser feito de maneira programada. A correção endovascular do aneurisma de aorta é a técnica amplamente utilizada atualmente, por ser menos invasiva e resultar em menos complicações”, explica.
Segundo ele, desde que assumiu a administração da hemodinâmica do HGRS, há um ano e meio, mais de dez pacientes já se beneficiaram pela correção endovascular do aneurisma de aorta. O tratamento é inteiramente coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
Os principais fatores de risco para a ruptura de um aneurisma de aorta são, além de histórico familiar, hipertensão, tabagismo, diabetes e colesterol descontrolado. Dados da American Heart Association indicam que a dissecção de aorta acomete principalmente homens na faixa dos 60 anos. O problema, no entanto, também pode aparecer em pessoas jovens, especialmente se elas possuírem alguma condição de saúde que afete a aorta ou a válvula aórtica.
Pacientes com quadro de aneurisma de aorta apresentam prognóstico silencioso, podendo permanecer assintomáticos por anos. A dor aguda só acontece no momento do rompimento.