ter?a-feira, 25 de fevereiro de 2020
Política

LIDER RELIGIOSO DO IRÃ QUER GUERRA E RETIRADA DOS EUA DO IRAQUE

Presidente dos EUA, Donald Trump, mandou Khamenei medir as palavras
Da Redação ,  Salvador | 18/01/2020 às 09:46
O líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyyed Ali Khamenei,
Foto:
 
O líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyyed Ali Khamenei, disse na sexta-feira que o inimigo tentou usar a tragédia "amarga" de derrubar acidentalmente um avião ucraniano para ofuscar o funeral de um dos principais comandantes assassinado em um ataque de drones dos EUA.

"O acidente de avião foi um acidente amargo, queimou nosso coração", disse o aiatolá Khamenei a uma multidão enorme de fiéis enquanto fazia um sermão durante as orações de sexta-feira em Teerã pela primeira vez em oito anos.

"Mas alguns tentaram ... retratá-lo de maneira a esquecer o martírio e o funeral" do tenente-general Qassem Soleimani, chefe da Força Quds do Corpo de Guardas da Revolução Islâmica do Irã.

O sermão do aiatolá Khamenei aconteceu depois que o ataque aéreo dos EUA assassinou o general Soleimani nos arredores do aeroporto de Bagdá em 3 de janeiro, provocando ataques retaliatórios de mísseis iranianos contra bases iraquianas que abrigam tropas americanas.

As tensões entre Washington e Teerã diminuíram desde que o Irã disse que derrubou acidentalmente o avião ucraniano quando estava em alerta máximo após seus ataques de retaliação contra alvos dos EUA no Iraque.

O acidente de avião matou todos os 176 passageiros a bordo. A maioria dos mortos foi iraniana e canadense. O líder disse que os inimigos do Irã estão explorando a tragédia para fins de propaganda.

"Por mais que estivéssemos tristes e nossos corações se partissem com a queda do avião, nosso inimigo ficou feliz, assumindo que havia encontrado um pretexto para questionar o IRGC, as forças armadas e o estabelecimento da República Islâmica do Irã".

O objetivo do inimigo, disse ele, era ofuscar "esse grande incidente" (o funeral do general Soleimani), mas "eles estavam errados".

O Líder também expressou simpatia pelas famílias daqueles que perderam a vida no acidente.

"Compartilhamos sua tristeza e agradecemos aos pais e famílias enlutadas que se opuseram à conspiração e tentação do inimigo e agiram contra o que o inimigo queria, apesar de seus corações estarem cheios de dor e tristeza", disse ele.

Louvando Soleimani, o líder disse que suas ações além das fronteiras do Irã estavam a serviço da "segurança" da nação e que o povo é a favor da "firmeza" e "resistência" diante dos inimigos.

O aiatolá Khamenei disse que o funeral em massa do general Soleimani mostra que o povo iraniano apóia a República Islâmica, apesar dos recentes julgamentos. Ele disse que o golpe "covarde" em Soleimani derrubou o comandante mais eficaz na batalha contra o grupo terrorista do Daesh e desonrou os EUA.

Ele disse que o ataque com mísseis do Irã contra as forças americanas no Iraque causou um "golpe à imagem da América" ​​como uma superpotência. Na parte de seu sermão proferido em árabe, ele disse que o "verdadeiro castigo" seria forçar os EUA a se retirarem do Oriente Médio.

 "Que uma nação convoque tal poder e semblante mental para golpear uma força arrogante e intimidadora do mundo de tal maneira é um sinal de que a mão do poder divino" está envolvida, disse o aiatolá Khamenei.