segunda-feira, 10 de agosto de 2020
Política

BASE DE RUI CHEGA A 44.1% NA DISPUTA PELA PREFEITURA DE SALVADOR (TF)

Instituto Parná mostra que se as eleições em Salvador fossem hoje a base ruista levaria o pleito
Tasso Franco , da redação em Salvador | 12/12/2019 às 09:54
Sgt e pastor Isidório lidera a pesquisa Paraná com 18.2%
Foto: BJÁ
A pesquisa do Instituto Paraná divulgada ontem por alguns sites em Salvador sobre a corrida sucessória à Prefeitura da Capital aponta o perigo que passa o prefeito ACM Neto em não conseguir fazer o sucessor. Nada está definido, ainda, mas, os percentuais dos nomes da base do governador Rui Costa alcançam a marca de 44.1% enquanto a base de Neto (Bruno + Leo) 19.8%. Preocupante.

A questão essencial é saber que nome o governador apoiará no seu partido, o PT, hoje, em 4º lugar na pesquisa com Nelson Pelegrino despontando com 8.6% ou se deixar essa missão para a Executiva Municipal, não apoiando nem o petista nem qualquer outro nome de sua base, no primeiro turno, e só entrar no jogo no segundo turno. Parece-nos, esta, a estratégia.

Na dianteira do sua base está o sgt e pastor Isidório, do Avante, com 18.2% - lider da pesquisa; seguido da deputada Lidice da Mata (PSB), 13.7%; Nelson Pelegrino, 8.6%; Bacelar (Podemos), 3.6%. Total, hoje, 44.1% dos votos. Na base de Neto, Bruno Reis, 16.8% (DEM); Leo Prates (PDT), 3.0. Total= 19.8%. Independentes: Bellintani (sem partido), 5.5%; Hilton Coelho (PCdoB), 2.1%; Geraldo Jr (SD), 2%.

Vale observar que, embora Rui Costa seja o "grande eleitor" de sua base, as intenções de votos hoje expostas na pesquisa Paraná não têm muito a ver com seu apoio e sim o potencial próprio dos candidatos.

 Isidório já foi o deputado mais votado na capital nas últimas eleições e o mais votado no estado, para federal; Lidice da Mata é veterana de eleições e já foi senadora e prefeita, tem seu eleitorado cativo; Nelson Pelegrino também é outro veterano que é sempre bem votado para deputado federal, na capital; e Bacelar tem um bom número de vereadores na CMS, do seu partido, o Podemos.

Pode-se, até, associar esses nomes a base do governo Rui, mas, essas intenções de votos são mais próprias dos candidatos do que do seu apoio que ainda não aconteceu. 

No caso de Bruno Reis, do DEM, é diferente. Está com esse percentual graças ao apoio que vem recebendo nos bastidores, ainda não oficial, do prefeito ACM Neto que o colocou à frente de lançamento de obras e inaugurações da PMS nos bairros. 

Neto precisará se desdobrar nos 30, como se diz no popular, para levar a candidatura Bruno ao patamar de 40% acima. É uma tarefa dificil, mas, que precisa ser alcançada no primeiro turno. Não é impossível. João Henrique, na primeira eleição de 2004, chegou a casa dos 43% sozinho. 

Neto terá mais dificuldades do que JH porque há na base de sua oposição nomes fortes e pulverizados que tendem a manter percentuais na faixa de 5% a 10% e algum deles, ou dois, que possam atingir a casa dos 15% a 20% como já está acontecendo com Lidice da Mata e Isidório. 

Eleição não se ganha de véspera, mas, o quadro é preocupante para prefeito que terá que fazer um esforço super-man na corrida sucessória.