quinta-feira, 13 de agosto de 2020
Esporte

BAHIA EMPATA COM PALMEIRAS: RESULTADO RUIM PROS DOIS, ZÉDEJESUSBARRÊTO

Segundo tempo deu um apagão no Bahia e o Palmeiras por pouco não vence o jogo
ZédeJesusBarrêto , Salvador | 17/11/2019 às 18:47
Bahia 1x1 palmeiras. Gol do barbudo Caike, de falta
Foto: ECB


  O Bahia fez um bom primeiro tempo, marcou um gol e poderia ter feito mais, porém foi uma equipe apática, sem forças, sem inspiração, dominada na segunda etapa. Diríamos, um empate justo, pois.  

  Mas o torcedor baiano não gostou. Primeiro pela queda de produção já manjada da equipe em campo; segundo porque o time está a seis partidas sem vencer, faz mais de um mês que não ganha nem no seu mando de campo; terceiro porque o resultado praticamente sepulta o sonho de uma classificação para a Libertadores de América; por último, a sina de não conseguir vencer o Palmeiras, há décadas. 
 
  De bom, mesmo, poderíamos dizer que esse pontinho na Fonte Nova faz a  equipe chegar a 44 pontos ganhos, o que praticamente livraria a equipe de um rebaixamento. O time está em 9º lugar mas pode ser ultrapassado na rodada por Vasco ou Goiás, que se enfrentam  na segunda. 
*
  Flamengo Campeão ?

 Do outro lado, o empate contra o Bahia  quase tira qualquer possibilidade de o Palmeiras ainda brigar pelo título brasileiro, agora definitivamente nas mãos do Flamengo que passou pelo Grêmio (1 x 0, em Porto Alegre, usando time misto) e foi a 81 pontos; o Palmeiras chegou a 68. São 13 pontos agora de distância. Não dá.
*
 Bola que segue. Que o Tricolor consiga uma vaga na Sul-Americana. É o que resta. Terá fôlego para tal?    
*
  O clima pré-jogo
 - O Bahia entrou nessa 33ª rodada com 43 pontos ganhos, em 9º lugar, mas com cinco rodadas seguidas sem conseguir um triunfo; o derradeiro foi há um mês precisamente, contra o Grêmio em Porto Alegre, dia 16 de outubro. Pior, sem vencer jogos na Fonte Nova, a torcida já cabreira, inquieta, cobrando. 
  - O Tricolor entrou em campo contra o vice-líder Palmeiras com desfalques significativos: o zagueiro titular Juninho e o avante Artur, ambos com vínculos contratuais com o Verdão; mais o meia reserva Guerra, também emprestado. E ainda o garoto promissor Marco Antônio, machucado no pé (como se machuca esse moço!)   

 - O Palmeiras com todo fogo, na vice-liderança, a 11 pontos do líder Flamengo, torcendo por uns deslizes do rubro-negro carioca, ainda com ralas esperanças de disputar o título ou chegar junto do campeão. Bahia e Palmeiras vêm protagonizando bons duelos ultimamente, mas os paulistas sempre em vantagem, terminam vencendo ou empatando. 

 - Atletas e treinadores (Roger e Mano) se conhecem bem, sabem da força e possíveis fraquezas do oponente.  O Verdão de camisas brancas com detalhes em verde, e o Tricolor de azul total. Sol de primavera quase verão, calor, bom público nas arquibancadas (24 mil pessoas presentes). Ao campo de jogo, pois.
*
Com a bola rolando ...

- O Tricolor começou nervoso, errando passes bobos na saída de jogo pelo meio campo, entregando a bola ao adversário e sofrendo contragolpes.

 - As duas primeiras chances, entretanto, foram do Bahia, por volta dos 4 minutos. Uma arrancada em tabela pela direita entre Elber e João Paulo, Arthur Caíke foi travado na hora do arremate; na sequência, Moisés levantou, Gilberto testou, Wéverton defendeu. 

 - Equilíbrio, duas equipes soltas, buscando o ataque. Aos 12’, nova investida do Bahia, tabela entre Gilberto e Élber, na sobra Caike arrematou e Wéverton pegou. Dudu deu troco aos 13’, chute mascado, Douglas catou. Aos 14’, Gilberto penetrou e recebeu de cara, Wéverton saiu arrojado e salvou nos pés do atacante. Defesaça, melhor chance de gol até então. 

- O Tricolor era melhor, marcava bem e jogava mais próximo da área inimiga. Aos 20’, após bom cruzamento de fundo do lateral João Pedro, Caíke tentou emendar de bicicleta, fora. Aos 22’, Dudu arriscou de longe, passou perto. 

 - Bem jogado, disputado e muito corrido. Aos 27’, ótimo cruzamento rasante de Moisés, da esquerda, Wéverton salvou arrojando-se no gramado. Aos 34’,Bruno Henrique tentou de longe, errou o alvo.  Aos 35’, o Bahia entrou tabelando e Élber ficou de cara com Wéverton  que saiu firme, de novo, e dividiu, salvou. 
 
 - Gol ! 1 x 0 Bahia, Arthur Caíke, batendo falta com categoria, colocado, no canto, da entrada da área. Falta sofrida por Gilberto, a barreira abriu.  
  - O Bahia foi mais ofensivo, impôs ritmo forte até uns 30 minutos, criou boas chances de gol; Wéverton foi destaque. O Palmeiras equilibrou, sempre perigoso na frente, tentando entrar na troca de passes. Boa primeira etapa, bem jogada.  E merecido o placar. 
*
 -  Com o placar adverso, Mano Menezes mexeu na equipe nos vestiários. Borja no lugar de Deyverson, e Lucas Lima substituindo Scarpa. Ao ataque !  Roger gostou do desempenho da equipe, manteve a escalação para o recomeço. 

 - Logo aos 2’, a defesa baiana envolvida, Borja recebeu na área e girou, batendo rasteiro, tirando tinta no rodapé de Douglas, assustando. O Verdão voltou quente, em cima, bem mais aceso. Um Bahia mais postado, na postura do contragolpe, lento na recomposição. Aos 13’, Dudu envolveu a marcação e rolou no meio; Bruno Henrique chegou de frente, livre, e bateu por cima,  perdendo chance clara.

  - Roger tirou Gilberto e colocou Fernandão, aos 15’. A ideia, sem dúvida era tirar mais o time de trás, incomodar um pouco mais na frente. Logo depois, saiu Élber, sentindo dores na coxa, entrou Lucca. O Verdão na frente, empurrando o adversário pra trás, forçando, correndo mais. 
   
 - Só aos 22’ o Tricolor voltou a dar o ar da graça; Caíke bateu falta das proximidades da área, a bola resvalou na barreira e foi a escanteio. Aos 25, num contragolpe, João Pedro  cruzou rasteiro na pequena área e Lucca não alcançou. 

William Bigode entrou no lugar de Bruno, o Verdão ainda mais ofensivo. 

 - Gol ! 1 x 1 Borja, aos 26’. Dudu da direita, no meio campo, virou largo pra esquerda, no pé de  de Zé Rafael, que achou Borja deslocando-se na área. Lucas Fonseca cochilou, deu mole e o avante bateu seco e cruzado da esquerda, no canto. Empatando. 

 - Os paulistas continuaram dominando, com mais pernas, na correria. A marcação baiana afrouxou, dando muito espaço no meio campo. E chegava na frente sem forças para a finalização. 

- Aos 30’, Lucas Lima pegou livre da entrada da área e bateu firme, no chão, para defesa de Douglas. Roger tirou Flávio, com cartão amarelo, e colocou Shaylon que joga mais avançado e não gosta de marcar. O jogo ficava cada vez mais aberto, perigoso, indefinido. 

 - Após uma saída de bola errada de Gregore, Dudu recuperou, envolveu, chutou cruzado, a bola bateu em Borja e não entrou porque Douglas tirou com a ponta dos dedos. Um lá e cá, nervoso; o Bahia chegava na frente sem pernas pra chutar. 

 - Foi um outro Bahia, marcando atrás e sem inspiração no segundo tempo, com alguns atletas já se arrastando em campo. 

- Susto  ! Aos 45’, Dudu serviu a William, livre na área, mas o chute saiu errado. Emoções fortes no final. Pressão do Verdão. Lucas Lima tentou de fora, aos 49’, raspando a trave.
 Deu empate e o torcedor não gostou, vaiou o resultado. 
*
  Destaques

 Douglas seguro, mas ...  foi surpreendido no gol. Moisés melhor que João Pedro. Boa partida de Wanderson, mas Lucas Fonseca deixou Borja finalizar, lerdo, compromete, vem comprometendo. Gregore e Flávio correram muito mas andam errando passes demais. Bom primeiro tempo de Élber e Caíke. 
  A equipe tem caído de produção brutalmente no segundo tempo, sem fôlego, sem pegada. Barcas, noitadas, pagodes ?  

No Palmeiras, o melhor foi Wéverton, com defesas fundamentais na primeira etapa. Dudu arrebentou no segundo tempo, criou todas as boas jogadas ofensivas do time, decisivo.
 *
Equipes escaladas

- Bahia : Douglas, João Pedro, Lucas Fonseca, Wanderson e Moisés;  Gregore, Flávio (Shaylon) e Ronaldo; Elber (Lucca), Gilberto (Fernandão) e Artur Caíke.  Treinador, Roger Machado. 
 - Palmeiras : Wéverton, Marcos Rocha, Luan, Victor Hugo e Diogo Barbosa; Thiago Santos, Bruno Henrique (Lucas Lima) e Scarpa  (William) ; Dudu, Deyverson (Borja) e Zé Rafael.  Treinador, Mano Menezes.