quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020
Colunistas / A Boa Mesa
Dom Franquito

DOM FRANQUITO retorna a Bahia e saboreia a dobradinha do Abaixadinho

Um restaurante no modelo boteco em pleno Corredor da Vitória, em Salvador
01/01/2016 às 18:05
   Depois de uma temporada na Europa Central saboreando saladas e as comidas tipicas e outras dos povos da neve, gulash dos húngaros e salsichas do bávaros, voltamos a boa terra de Salvador da Bahia e na 'rentrée' fomos brindar o inicio do verão com uma dobradinha no Abaixadinho de Sêo Alfredo, no Corredor da Vitória.

   Esse trecho da Av Sete é o mais chic de Salvador onde se situam os apartamentos mais caros e badalados, com marinas privês e outros salamilaques. Esta avenida que completou 100 anos, em 2015, erguida no governo de J.J. Seabra tem no seu percurso mais de dez becos e travessas, entre famosos como Beco Maria Paz e quase anônimos como a Travessa Hugo Wilson logo após o Museu Carlos Costa Pinto, quase em frente a rua Bráulio Xavier.

   Da Travessa Hugo Wilson até a igreja de Nossa Senhora da Vitória é um pulo. É nessa travessa, um dos becos da Av Sete, que se situa o Abaixadinho, um local de comida baiana fundado por Sêo Alfredo há 40 anos e que vem sendo 'tocada' por sua esposa e viúva Maria Luiza (Lita) e por sua filha Rita. E mais o faz tudo da casa, Nado.

   Rita diz que sua vida está ligada ao Abaixadinho desde menina. Ela curte e trabalha no local ajudando a mãe, a sí e a familia, moradores do corredor da Vitória em prédio dos antigos, dos mais modestos, atuando no restaurante com o prazer de uma iniciante.

   - Meu dia a dia é aqui atendendo os clientes de sábado a sábado com a mesma disposição e alegria de sempre, cofessa Rita destacando que a casa tem tradição, fregueses cativos e a cerveja está sempre geladíssima.

   O Abaixadinho é uma casa típica no modelo boteco com poucas mesas internas, uma área externa agradável e coberta no beco, e um balcão onde o cliente, de cara, lê logo a observação: não aceitamos cheques.

   No Abaixadinho a comida é tipica baiana popular - saraparel, dobradinha, bacalhau a martelo, mocotó, caruru, ensopado, etc tudo a preços que variam entre R$15,00 (PF) e R$30,00 o comercial. 

   Ou seja, o prato já vem feito da cozinha comandada por dona Lita e os complementos adicionais ao gosto dos clientes são a pimenta (fortíssima) e a farinha.

   Agora, você não vai querer ir num local desses e pedir um sarapatel com um copo d'água. Pior que há quem peça e é atendido. Mas, bom mesmo, antes de um prato dessa natureza é dar uma ao santo - há uma boa variedade de pingas mineiras à venda - e depois (ou no complemento) uma supergelada. Aí, tudo desce redondo.

   Dona Lita é um amor de pessoa. Senhora de longa idade, de um humor fantástico, lembra que quando a Engenho Novo (Agência de Publicidade) era no Corredor da Vitória, os meninos de lá (Fernando Passos, Domingos Leonelli, etc) organizavam um grupo de baianas e fazia a lavagem do beco do Abaixadinho.
   
   - Era uma festa maravilhosa e penso em fazer isso de novo - conta dona Lita com ponta de saudosismo. 
É ela, Rita e um assessor técnico (Nado) que servem as mesas e o balcão.

   Tudo é muito simples, limpissimo, agradável, papo-amigo no Abaixadinho.

   Os clientes adoram o lugar e num corredor com tanta sofisticação e gente de PIB alto, nada melhor do que um lugar dessa natureza para descontrair e sentir que a vida não se resume ao caro, ao inatingível aos mortais.

   Yo senti esse prazer - no balcão - sendo servido por dona Lita uma dobradinha em prato fundo, uma Seleta de abertura, pimenta vermelha de doer o 'gorgominho', copioba da boa e a gelada. 

   A boa mesa com prazer, alegria, história, vivências e a assombrosa quantia de R$20,00 por toda a conta.

   É assim, no Abaixadinho, a comida é boa, barata e o freguês fica sempre com vontade de voltar por lá.

   Que dona Lita me aguarde. 

   No sábado, pra quem aprecia, serve-se mocotó. 

---------------------------------------------------------------------- 
Abaixadinho
Travessa Hugo Wilson, 2
Fone 99151.2284
(Corredor da Vitória próximo ao Museu Carlos Costa Pinto
Comida de boteco
PF (dobradinha, sarapatel, mocotó, etc) R$15,00
Comercial R$30,00
Cerveja garrafa R$8,00 a R$10,00
Latinha cerveja R$3,00
Pingas mineiras R$6,00 (dose)
Pagamento só no efetivo (a dinheiro)
Classificação 2 DONS