segunda-feira, 10 de agosto de 2020
Cultura

SANTA BARABA EXPÕE RELIGIOSIDADE DO POVO BAIANO MAIS DO QUE NO BONFIM

Santa Bárbara abre, também, o ciclo de festa populares religiosas de Salvador
Tasso Franco , da redação em Salvador | 04/12/2019 às 14:54
Distribuição do akará(acarajé) iguaria preferida de Iansã
Foto: BJÁ
  A festa para Santa Barbará a Iansã orixá do candomblé senhora dos raios e dos trovões, da mulher destemida e que roda a baiana, folgosa, apimentada, é repleta de simbolismos o principal deles a distribuilção do acarajé (akará, bolinho de fogo), daí veio a corruptela acarajé (akará = bolinho de fogo. ajé + comer, bolinho de comer, iguaria servida nos tabuleiros das baianas, a principal delas. 

   A orixá aceita o akará, assim como Exú, e a oferenda é feita à população (como se vê na foto qie fiz hoje na praça da Sé), gratuita, como uma oferenda a Iansã (ou da orixá).

  No simbolismo católico a santa aparece em imagem na frente de um castelo segurando uma espada (a morte), um cálice (o santo graal da comunhão de JC) e a palma (flor, bondade). Seu pai a aprisinou num castelo com duas janelas e quando retornou de viagem havia uma terceira janela que ela havia construido com o poder da fé. Seu pai a teria degolado.

   Na festa, em Salvador, que aconteceu hoje, 4,  vê-se todos esses simbolos catóilicos e do povo de santo, as pessoas (homens e mulhres) trajando a cor vermelha, a predileta da orixá, algumas crianças portando espadas de madeira, adultos com ramos e palmas, e outras com um nicho. É impressionante a devoção a santa/orixá. As pessoas levantam às mãos quando o andor passam, tocam nas alças e para conduzí-lo é um disputa enorme.

  Quando a imagem chega na sede do Corpo de Bombeiros e a sirene da "Bomba" toca há um delirio coletivo e algumas filhas de santo dão santo. A procissão, hoje, em Salvador, é a mais bonita e onde também vê-se mais religiosidade das pessoas. Alegria, choro, devoção, agradecimentos com as mãos coladas nos seis, é algo muito forte. Por posto, não tem políticos.

   Algumas familias vestem suas filhas menores de Bárbara à imagem da santa e acompanham todo o trajeto da procissão. Os cânticos no decorrer do percurso são em português e yorubá, religiosos do candomblé e da igreja católica. Santa Bárbara está se tornando a festa de maior religiosidade em Salvador, mais até do que a lavagem do Bonfim, onde se vê mais folclore do que fé propriamente dita. (TF)