quinta-feira, 20 de setembro de 2018
Salvador

SALVADOR: VEREADOR diz que greve da APLB é política e prejudica alunos

Com informações de A Tarde e outros
Da Redação , Salvador | 11/07/2018 às 12:04
Asssembleia da APLB decreta greve de professores em Salvador
Foto: A TGARDE
Os docentes da rede municipal de ensino de Salvador deflagraram greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira, 11. Em campanha salarial desde abril, eles vão realizar uma assembleia às 15h no Ginásio dos Bancários, na ladeira dos Aflitos, para discutir os rumos da paralisação.

A categoria pede um reajuste salarial de 12,41%, já que, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), há 3 anos a categoria não recebe nenhum reajuste. Eles pedem também aumento do tíquete alimentação de 10% e melhores condições de trabalho.

De acordo com com a diretora-administrativa da APLB, Elza Melo, além dos reajustes, há também reivindicação pela mudança de nível dos docentes e a eleição de diretores. 

"Há quatro anos que não acontece a mudança de nível, ou seja, o professor se especializa, se aprimora, mas continua recebendo como graduado. Os encargos estão acumulados e não há nenhuma menção de pagar", afirmou ela, acrescentando que "entre os pedidos majoritários está também as eleições para os nossos diretores. Aqueles que ocupam os cargos agora foram por indicação e não eleitos por nós. Já tem um ano que não ocorre eleições. Isso não é democracia".

Conforme a dirigente, houve uma rodada de negociação com a prefeitura nesta terça, 10, mas não houve acordo entre as partes. "Eles até deram uma contraproposta de 2,5% de reajuste no salário, mas não queremos isso", afirmou. 

Prefeitura se posiciona

Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) informou que orientou o funcionamento normal das unidades de ensino e que compreende o movimento como precipitado, já que a negociação está em andamento. 

A prefeitura ainda disse que existe "proposta de aumento real para a categoria e que a valorização dos professores é uma política implementada desde o início da primeira gestão de ACM Neto. Um exemplo disso é o aumento registrado na média salarial da categoria, que passou de R$ 4.826,71 para R$ 6.431,13, representando um incremento de 33,24%".

Conforme o órgão municipal, com a greve, 142 mil estudantes são os principais prejudicados com o movimento, além de compreender o ato como "político partidário".