quinta-feira, 24 de agosto de 2017
Colunistas / Vida de Gordo
Otto Freitas

Milho, o rei das festas de junho. Gordos se lavam

Otto Freitas escreve quinzenalmente neste site a coluna Vida de Gordo
11/06/2017 às 20:04
     
Quando chegam as festas de junho, Jeffinho entra em seu mais profundo estágio Alfa. Elas formam um ciclo popular e colorido de alegria. No São João, principalmente, que celebra a colheita farta, há boa comida, música rica e muita brincadeira, entre fogos de artifício, fogueiras, jogos e quadrilhas ancestrais. Da culinária típica, o milho é um símbolo, o rei da festa, depois do forró pé de serra, com sanfona, zabumba e triangulo tocando xote, xaxado e baião. O gordo come milho feito um desembestado. Só perde para as galinhas. 

Milho é cereal, alimento funcional, rico em fibras, nutritivo, fonte de energia e sabor. É gostoso em qualquer forma e variação: cozido com pedaços de coco ou assado na fogueira e mesmo no fogareiro; é ótimo como polenta (de preferência frita e crocante), canjica, pamonha e angu, debaixo do qual sempre tem carne em vez de caroço; e tem o cuscuz, bem molhadinho, com uns ovos fritos na manteiga por cima. 

Do milho também se faz cerveja, vinho e licor; mingau, papa, bolo, pão e biscoito, além da velha broa das antigas, sabor inesquecível de infância, raridade que ainda se encontra em padarias de bairros populares de Salvador, como Uruguai, na Cidade Baixa, e Mussurunga, na avenida Paralela. Você vai quebrando a redonda e molhando no café preto bem quente... É um manjar do deus do milho. Se passar uma manteiguinha, então, aí é para matar o gordo.  

Não se pode esquecer, ainda, que milho vira pipoca, comida sagrada de orixá, diversão de criança e adulto o ano inteiro. Sim, aquela pipoquinha amanteigada e salgadinha, delicadas flores brancas, alegres, saltitantes e crocantes que há séculos divertem e relaxam gordos e magros, cinéfilos, neuróticos, ansiosos e agoniados em geral. O milho, feito pipoca, é o ansiolítico natural mais eficiente, o único que diverte, tem sabor e não faz mal. É tarja branca, totalmente do bem. 

                                                             @@@@@@

O nome, de origem caribenha, significa “sustento da vida”. Milho é cultivado há 40 séculos, na América do Sul, mas com provável origem no México. No Brasil, já era cultivado pelos índios antes dos portugueses chegarem. Junto com a mandioca, tornou-se um dos principais alimentos dos escravos. Com o tempo e a presença portuguesa, incorporou-se aos hábitos da população em geral. 
 
O milho já não é mais orgânico, natural, como antigamente. Já não depende somente da chuva enviada por São José. As antigas espigas, normais, pequenas, hoje são vistosas, com grãos enormes e uniformes, fruto de tecnologia e interferência genética na cultura agrícola que produz seguidas safras recordes de um cereal transgênico. É o parente mais jovem daquele antigo milho verde do interior com o qual a vovó fazia canjica e pamonha, moendo e espremendo os grãos no pano de prato. 

Milho hoje dá até em lata; canjica e pamonha se compram na delicatessen. Mas ainda se acha milho verde nas feiras livres, nem tudo está perdido. Afinal, milho é milho, forte e bravo, não vai sucumbir assim tão facilmente.