quinta-feira, 24 de agosto de 2017
Cultura

PARADA GAY E ORGULHO GAY, vamos falar sempre, por NARA FRANCO

O brasileiro não é cordial
Nara Franco , RJ | 18/06/2017 às 20:47
A corajosa Daniela Mercury na Parada de São Paulo, hoje
Foto: LL
   Essa foi a Semana do Orgulho LGBT em todo o planeta. O movimento nasceu nos Estados Unidos em 1969, quando frequentadores do bar gay Stonewall Inn, no bairro do Greenwich Village, em Nova Iorque, resistiram a uma invasão policial cansados dos frequentes abusos das autoridades no local. Foram noites de extrema violência onde a sociedade americana viu, pela primeira vez, o poder dos marginalizados. Eram homossexuais, travestis e prostitutas peitando o sistema. 

No ano seguinte, as primeiras marchas do Orgulho Gay começaram a acontecer em Nova Iorque, Los Angeles e São Francisco. O filme "Milk", com Sean Penn, retrata bem esse momento da história americana. Quem não viu, veja. Porque tudo que diz respeito ao movimento LGBT parece festa. Mas não é. Por trás da maquiagem, dos saltos e brilhos, a realidade é dura e seca. 

O Brasil é o país que mais mata travestis, transsexuais e transgêneros no mundo. Aqui, homofobia não é crime. Mata-se por ódio e intolerância e ficamos por isso mesmo. Essa é a 21 Edição da Parada e de lá - da primeira - para cá pouco mudou. A criminalização esbarra nas inúmeras bancadas que fazem do Brasil o país menos laico que se tem notícia. Talvez perca para Irã, Afeganistão, Angola, Uganda, o que não é motivo de orgulho. 

Em recente viagem à Europa suei para explicar nossa posição em relação ao aborto, às drogas e a homofobia. Mesmo países "caretas" como Portugal e Espanha avançaram. Nós esbarramos em Bíblias. Estava em São Francisco na época da Parada e vi pouca música e muita política. Por lá, a parada reúne representantes da polícia, bombeiros, classe política, militares. Nos cartazes expostos, reivindicações de uma camada significativa da sociedade. 

O direito LGBT diz respeito a direitos civis. Direitos iguais. Direito à pensão, plano de saúde, união estável, adoção de filhos, divórcio, registro de filhos, separação de bens. 

Em meio a onda conservadora que varre o Brasil é assustador saber que há locais de acolhimento a homossexuais expulsos de casa pelas famílias ou adolescentes que se matam por não suportarem bullying simplesmente por ter uma orientação sexual diferente. 

É preciso falar da Parada. É preciso falar das milhares de pessoas que foram às ruas ao som da corajosa Daniela Mercury, entre outros artistas. É preciso dizer não ao preconceito. É preciso parar de fingir que não somos intolerantes. O brasileiro não é cordial.